Ministério Público pede banimento de organizadas do Cruzeiro dos estádios por um ano

20191217142317272252e

Nesta terça-feira, o Ministério Público de Minas Gerais anunciou medida para banir as torcidas organizadas do Cruzeiro Máfia Azul e Pavilhão Independente dos estádios em todo o Brasil durante um ano. O pedido será enviado à Federação Mineira de Futebol (FMF) e, só após ser aprovado, poderá ser aplicado na prática.

A decisão do MP foi motivada por vários confrontos das duas organizadas em jogos recentes do Cruzeiro, o último deles no dia 8 de dezembro. Logo depois da partida contra o Palmeiras, que decretou o rebaixamento do clube mineiro à Série B, houve depredação do Mineirão e briga generalizada no entorno do estádio.Em parceria com as Polícias Civil e Militar, o MP determinou a prisão nesta terça-feira, durante a operação “Voz da Arquibancada”, de oito líderes das duas organizadas: cinco da Máfia Azul e três da Pavilhão Independente. Outros oito integrantes estão foragidos.

O inquérito policial investiga associação criminosa, lesão corporal, tentativa de homícidio, dano ao patrimônio público e privado, provocação de tumulto e ameaças. Participaram da operação quatro delegados, 110 investigadores, 40 policiais militares e dois promotores de Justiça.

Durante a operação, foram cumpridos 20 mandados de busca e apreensão e 16 de prisão em Belo Horizonte, Contagem, Betim, Vespasiano, Ribeirão das Neves, Barão de Cocais e João Monlevade.

A promotora do Ministério Público, Vanessa Fusco, detalhou a operação e a dividiu em duas etapas: a das medidas cautelares e a das medidas administrativas. A primeira envolveu os mandados de prisão para integrantes das duas torcidas organizadas. A segunda se baseia no inquérito civil em andamento, com a sugestão de banimento da Máfia Azul e da Pavilhão Independente dos estádios, em todo o Brasil, por um ano.

Integrantes das duas organizadas ainda teriam de guardar distância de 5km dos estádios em dias de jogos.

“O MP desdobrou em duas ações: uma era hoje, com as medidas cautelares reais e pessoais, que significam mandados de prisão temporária contra essas pessoas e, também, mandados de busca e apreensão. E a segunda esfera, que é administrativa, baseada no inquérito civil em andamento, com o banimento por um ano de todos os torcedores que se apresentem com aquela caracterização de Máfia Azul ou Pavilhão Independente, no entorno ou dentro do estádio, em todo o país”, descreveu a promotora Vanessa Fusco.

O tenente-coronel Juliano Trant destacou que a Polícia Militar tentou apaziguar a relação entre Máfia e Pavilhão desde setembro, uma semana antes do jogo contra o Flamengo, mas os integrantes priorizavam o conflito. Nas rodadas finais do Brasileirão, a PM aumentou o número de profissionais no entorno do Mineirão: “Trabalhamos a segurança dos jogos contra Avaí e CSA como se fossem Atlético x Cruzeiro”.

Trant também falou sobre como a PM agirá ao detectar a presença de torcedores das duas organizadas a serem banidas. A prisão só acontecerá em caso de afronta. “No primeiro momento, trabalhamos com a questão educativa, porque muito torcedor compra o uniforme da torcida (organizada) e vai inocentemente. Os torcedores da organizada mesmo ficam cientes e não vão (caracterizados). No redor do estádio, trabalharemos educativamente. Percebendo que se trata de afronta, tomaremos providências”, explicou.

Fonte: UAI Foto: Reprodução/Internet

Departamento de Jornalismo – Rádio Mundo Melhor